Polêmica nos Estados Unidos: Nike acusada de cortar patrocínios a atletas grávidas

Foto: Getty Images

Em um momento em que se tem destacado pelos vários vídeos e campanhas nas quais defende a igualdade, a Nike está envolvida em uma crise interna nos Estados Unidos, devido às acusações da velocista Alysia Montaño, que em declarações ao ‘New York Times’ revelou que a marca cortou o seu patrocínio em 2014 por estar grávida. Uma acusação que vai totalmente contra a imagem que a marca tem passado precisamente nesses últimos anúncios, principalmente a mais recente, que exaltava o papel das mães corredoras, e que levou mesmo Alysia a assumir uma postura irônica e de sátira precisamente a propósito dessas campanhas.

“A indústria do esporte permite aos homens ter uma carreira plena. Mas se uma mulher atleta decide ter um filho, essa indústria a coloca de lado, independentemente de estar na sua melhor fase. As empresas como a Nike dizem-nos ‘atreve-te a sonhar com a loucura’, mas eu digo ‘e que tal se deixarem de tratar as nossas gravidezes como se fossem lesões?”, questiona a corredora, que foi por duas vezes medalha de bronze na prova dos 800 metros dos Mundiais de atletismo (em 2011 e 2013).

As acusações de Alysia Montaño levaram a empresa a se pronunciar de forma oficial, a Nike em resposta à CBS News reconheceu que havia uma “inconsistência na abordagem nos mais diversos esportes” e que em 2018 padronizou a situação, “de forma a que nenhuma atleta feminina fosse penalizada financeiramente pela sua gravidez”.

Acesse e leia nossos “Relatório Anual da Discriminação Racial no Futebol” 201420152016, e 2017 com os casos de preconceito e discriminação no esporte brasileiro aqui

Fonte: Record

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *