Casa da Diversidade proibida de abrir na Rússia tem novo endereço na Copa

Sem apoio da Rússia, Casa da Diversidade teve de mudar de endereço em São Petersburgo – Diogo Dantas

A chamada Casa da Diversidade, espaço para encontro e discussões sobre minorias no futebol, e com foco no acolhimento da comunidade LGBT internacional, tem novo endereço em São Petersburgo, depois de ser obrigada a fechar as portas nos últimos dias. O dono do imóvel alugado teria desistido do negócio.

A organização, então, recolheu seu aparato e se transferiu para outro local, localizado na rua Grazhdanskaya, número 15, próximo a estação Spasskaya. A casa da diversidade de Moscou segue funcionando.

Os organizadores informaram que ainda estão organizando melhor o espaço, perto do centro da cidade e da fan fest da Fifa, para receber os torcedores para ver jogos e debater alguns temas. Segundo Alfred Minieahmedot, coordenador do projeto, não deve haver mais problemas para o funcionamento do local até o fim da Copa do Mundo.

— Foi bom termos mudado, não tivemos novos problemas e creio que não teremos no futuro — disse ele à reportagem, antes de afirmar que as autoridades russas não deram apoio na movimentação, apenas a Fifa.

— Não sei se as autoridades estão dando apoio, esperamos que não estejam contra. Não precisamos do suporte deles. O público é bom, todos agora estão sabendo do nosso endereço. Esperamos mais fãs e turistas. Temos temo um site em inglês, o “Cup For People”, estamos em contato com vários consulados, para comunicar com os turistas que estamos abertos novamente — explicou.

O problema aconteceu na véspera da abertura da Casa da Diversidade, programada para o dia 14, estreia da Rússia na Copa do Mundo. O proprietário do imóvel onde aconteceria o evento teria declinado de ceder o espaço, o que a organização não acreditou.

— Nos forçaram a sair do prédio um dia antes da abertura. Foi dificil sair e achar um novo endereço — lembra Alfred.

Piara Powar, diretor da organização não-governamental Fare, que apoia o projeto, disse que era um movimento de grupos de direita contrários a abertura do espaço na cidade. Agora o local pretende funcionar até fim da Copa do Mundo.

Até agora, o único episódio em relação ao público LGBT foi a prisão do ativista britânico Peter Tatchell em Moscou pro protestar com um cartaz contra o governo Putin. Ele foi levado por agentes russos a horas da abertura do Mundial, mas depois foi solto, e passou a frequentar a Casa da Diversidade.

A agência russa “Interfax” informou que a polícia russa confirmou que vai acusar formalmente o britânico por quebrar a lei durante eventos públicos.

Acesse e leia nossos “Relatório Anual da Discriminação Racial no Futebol” 20142015 e 2016, com os casos de preconceito e discriminação no esporte brasileiro aqui

Fonte: OGlobo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *