Após polêmica com cânticos nazistas, Alemanha pede maior controle sobre ingressos

Técnico Joachim Löw disse que seu time não é a seleção nacional dessas pessoas

Depois de o técnico da seleção da Alemanha, Joachim Löw, classificar como vergonhosos os cânticos nazistas entoados por torcedores extremistas do país durante a vitória por 2 a 1 sobre a República Checa, na última sexta-feira, em Praga, pelas Eliminatórias da Copa de 2018, o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB, na sigla em alemão), Reinhard Grindel, cobrou um maior controle sobre a distribuição dos ingressos para reduzir a chance de os jogos em solo europeu serem povoados por este tipo de torcedor radical.

Em entrevista à revista alemã Kicker, o dirigente afirmou que “precisamos discutir o problema da distribuição de ingressos junto com as associações europeias e encontrar formar de assegurar maior controle em toda a Europa”.

Grindel exibiu decepção e não deixou de criticar as atitudes polêmicas de um grupo de cerca de 200 torcedores extremistas que entoaram cânticos nazistas na última sexta, quando o atacante Timo Werner, da própria seleção alemã, também foi alvo de ofensas por parte dos seus compatriotas durante o confronto realizado na República Checa.

O ex-jogador Oliver Bierhoff, hoje gerente da seleção alemã, afirmou que estes torcedores extremistas não adquiriram os ingressos para esta partida por meio dos canais oficiais de venda da DFB, e Grindel sugeriu que os problemas envolvendo fãs indisciplinados podem ocorrer quando entradas são adquiridas através do mercado aberto.

No último domingo, em entrevista coletiva, Löw ressaltou: “Não queremos hooligans como esses. Nós não somos a seleção nacional dessas pessoas e elas não são nossos torcedores. É absolutamente terrível. Acredito que hooligans deveriam receber punições mais severas. Estou indignado com o que aconteceu e irritado por os chamados ‘fãs’ usarem o palco de um jogo de futebol internacional para envergonhar nosso país. Como equipe, queremos defender valores particulares para uma Alemanha tolerante e aberta”.

Atual campeã mundial, a Alemanha voltará a jogar pelas Eliminatórias da Copa nesta segunda-feira, às 15h45 (de Brasília), contra a Noruega, em Stuttgart, onde jogará para se manter com 100% de aproveitamento no qualificatório europeu, no qual acumula sete vitórias em sete partidas realizadas até aqui. Assim, o país está muito próximo de assegurar vaga na grande competição que será realizada na Rússia em 2018.

Para a partida desta segunda, o meio-campista Sami Khedira comprou 1.200 ingressos e doou para caridade. O confronto, que será na cidade onde o jogador nasceu, motivou o atleta da Juventus a distribuir esta boa quantidade de bilhetes às crianças socialmente desfavorecidas e também para outras que lutam contra o câncer. Elas poderão ir ao jogo da seleção por meio da iniciativa de uma fundação que é mantida por Khedira.

Acesse e leia nossos “Relatório Anual da Discriminação Racial no Futebol” 2014 e 2015, com os casos de preconceito e discriminação no esporte brasileiro aqui

Fonte: SuperEsportes

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *